Home » SEO: saiba porquê a criação de links em massa não funciona

SEO: saiba porquê a criação de links em massa não funciona

Como um analista de SEO, você pode se surpreender ao me ouvir dizer:

“Criar links em massa não funciona mais como estratégia de SEO!”

Isso já ocorre há alguns bons anos e, a cada atualização do algoritmo do Google ou de outros mecanismos de busca, essa afirmação fica mais verdadeira e mais forte.

Este post explica porquê criar links em massa não é mais uma estratégia de SEO válida e quais são as alternativas. Na minha pesquisa para escrever este artigo, levei em consideração o seguinte:

  • Diretrizes do Google;
  • Atualizações de algoritmo do Google a partir do Google Penguin, lançada em 24 de abril de 2012, e incluindo atualizações recentes, como o Google Panda e RankBrain;
  • Uma patente de linking concedida ao Google;
  • Informações sólidas de vários fóruns e blogs com muita autoridade em SEO;
  • Minha própria experiência no gerenciamento de campanhas de SEO em 2 idiomas diferentes, português e inglês.

Importante: aqui neste artigo, quando falo de links em massa, considero apenas links criados por um trabalho de SEO, e não links pagos de anúncios do Google Ads ou links do tipo nofollow.

Por que a criação em massa de grandes volumes de links é um problema em SEO?

Um velho ditado publicitário diz:

“Crie uma vez, publique em qualquer lugar.”

É fácil entender por que webmasters e agências de marketing digital aplicaram essa mesma abordagem ao SEO. O problema é que a publicidade – no sentido amplo da palavra – e o SEO possuem objetivos diferentes, exigindo uma abordagem diferente. A publicidade está mais ligada à imagem de uma marca e visa transmitir uma mensagem ao maior número de pessoas possível. É, portanto, uma questão de trabalhar nesta mensagem principal da empresa e criar visuais, textos ou vídeos para promovê-la.

O SEO é mais sutil e envolve, entre várias outras coisas, a criação de conteúdos de alta qualidade para o seu site, otimizando-os para uma seleção precisa de palavras-chave relevantes em pesquisas feitas por usuários nos mecanismos de busca. A idéia é que a criação desse conteúdo seja de tão boa qualidade que outras pessoas criarão espontaneamente links para o seu site. Links são uma parte essencial das campanhas de SEO e devem ser levados muito a sério. Não são os links em si que são problemáticos, mas sim o fato de se construir uma grande quantidade deles em prazos de tempo claramente curtos demais. As instruções do Google incluem muitos exemplos de processos de criação de links que podem (não significa que certamente irão) afetar negativamente o posicionamento de um site nos resultados de pesquisa, tais como:

  • A compra ou venda de links para passar PageRank (“força” de SEO);
  • Troca excessiva de links entre webmasters (“coloque um link para o meu site, eu coloco um para o seu”);
  • Campanhas de marketing em larga escala por meio de artigos ou contribuições em blogs com links ricos em texto âncora contendo palavras-chave de correspondência exata;
  • O uso de programas ou serviços automatizados para criar links apontando para o seu site;
  • Links com textos âncora “otimizados” em artigos ou press releases distribuídos em outros sites;
  • Links para diretórios ou sites ruins;
  • Links ricos em palavras-chave, links escondidos ou links de baixa qualidade inseridos em widgets distribuídos em vários sites;
  • Links amplamente distribuídos nas notas de rodapé ou em modelos de página de vários sites;
  • Comentários em fóruns com links “otimizados”;
  • Links excessivos de páginas em idiomas estrangeiros (por exemplo, links em páginas em inglês apontando para um site em português ou links usando textos âncora em inglês vindos de páginas em espanhol).

Recebo regularmente e-mails de agências de SEO que oferecem “pacotes” mais ou menos deste tipo:

  • 100 envios de artigos
  • 5000 curtidas em redes sociais
  • Links vindos do site famoso X ou Y
  • 100 comentários no blog

É claro que para gerar esse volume de links em pouco tempo, eles muito provavelmente terão uma grande proporção de conteúdo duplicado (por exemplo, o mesmo artigo enviado a muitos sites), usarão ferramentas automatizadas e no final tanto o conteúdo quanto os links serão de baixa qualidade.

A criação de links em massa é claramente contra as instruções de boas práticas do Google. Não apenas contra instruções que mencionam volume, mas também contra aquelas que mencionam qualidade.

De certa forma, as atualizações do Google simplificaram o SEO. Acabaram-se os dias em que as más práticas que visavam somente ranqueamento – ignorando a qualidade do conteúdo e experiência do usuário – funcionavam formidavelmente bem. Há dois aspectos básicos do SEO que todo dono de site deve ter em mente:

Conteúdo de qualidade : ao criar um site ou escrever seu conteúdo, é bom saber que o Google também é capaz de detectar conteúdo de qualidade e uma de suas atualizações de algoritmo, o Panda, foi projetada para recompensar sites com ótimo conteúdo e penalizar aqueles que têm um conteúdo ruim – especialmente quando se trata de conteúdo “encheção de linguiça” (“lenga-lenga”) ou então de conteúdo duplicado.

Bom conteúdo
Conteúdo de alta qualidade que responde as perguntas do seu público é o que naturalmente atrairá bons links

Criar conteúdo de qualidade significa olhar para o seu site do ponto de vista do cliente e ter certeza absoluta de que você está fornecendo todas as informações que ele precisa. Devemos, então, ir mais além e perguntar quais textos, ilustrações ou vídeos podem ser adicionados a este conteúdo para torná-lo mais útil, mais relevante e incentivar os visitantes a permanecerem ali. O SEO on-page (a parte técnica) é vital. No entanto, o conteúdo deve ser escrito sempre com o cliente ou visitante em mente. Seu conteúdo deve responder todas as perguntas do seu público. De nada adianta ter um site perfeito do ponto de vista técnico do SEO se o conteúdo nele é ruim.

Links de qualidade adquiridos naturalmente: links ainda são importantes e há muitas maneiras de criar links que atendem às recomendações do Google. A maneira mais fácil de determinar se um link é de boa qualidade é se perguntar “eu gostaria de ter esse link apontando para o meu site mesmo se os mecanismos de busca não existissem?”. Alguns exemplos de tipos de links que recomendo:

  • Redes sociais: desenvolva seus próprios perfis no Facebook, Twitter, LinkedIn, Pinterest e outros sites e tenha o máximo de cuidado, mantenha-os sempre atualizados e interativos.
  • Campanhas de imprensa: envie comunicados de imprensa e contate jornalistas que trabalham para jornais ou revistas para fazer uma entrevista ou para enviar um artigo.
  • Infográficos: compartilhe infográficos que estimulem a imaginação com conteúdo educativo, inspirador ou divertido para que as pessoas queiram compartilhá-los espontaneamente.
  • Marketing de vídeo: crie e compartilhe vídeos no YouTube, Vimeo, Daily Motion e outros sites de vídeo.
  • Artigos e blogs: aborde outros webmasters ou blogueiros com conteúdo escrito especificamente para o site deles e que tenha conexão com o seu conteúdo. Uma abordagem focada nas respostas que o público do seu segmento precisa é sempre necessária para garantir que seu blog seja relevante e visto como fonte de informação confiável.

Nenhuma campanha de criação de links exige que você mesmo crie todos os links. Ao criar bom conteúdo (que geralmente é fruto de conhecimento no assunto e boa pesquisa prévia), a tendência é que o público o compartilhe por livre e espontânea vontade. Esses, sim, são links com bom valor de SEO.

A abordagem de marketing de conteúdo com as estratégias descritas acima tem sido muito eficaz em vários segmentos diferentes. Acredito que continuará a ser assim no futuro!

error: Conteúdo protegido!